02 maio 2016

23:20














23:20; Segunda, 16 de Fevereiro de 2015

As luzes se apagam...

Mariana tateia nervosa a sua cômoda a procura do seu telefone – relutante, e em um vai e vem constante, tenta achar seu celular para que haja alguma luz. Por fim acha e em um suspiro nervoso após ouvir vários sussurros abafados, acende a lanterna do seu telefone e em um movimento rápido algo passa em frente seu quarto que se encontra com a porta entreaberta. Coração Acelera.

Desliza os pés a procura de suas sandálias, após encontrá-las, segue em direção a porta. Passo a passo e com a respiração pesada ela finalmente sai do quarto, olhando para dois lado do corredor que ainda se encontra com as luzes acesas. Mas uma onda de sussurros invade o silêncio. A luz apaga. Grito abafado.

Suas mãos em um gesto involuntário derrubam o celular no chão, Mariana sai tateando as paredes em busca do seu quarto, quando toca em uma coisa que se assemelha a um rosto, quente, e com a respiração lenta e suave. Ao tirar a sua mão, rapidamente algo lhe segura pelo pulso, e em gritos desesperados, Mariana entre lágrimas pede socorro desesperadamente. 

As luzes se acendem. Risadas e mais risadas ecoam pela casa, as lágrimas e o medo que ela sentia se transformaram rapidamente em raiva...

– O que vocês tem na cabeça? Disse Mariana para Murilo e Matheus, seus irmãos mais novos e terríveis. – Vocês podiam ter me matado de susto!

– Deixa de drama Mari, curta o momento e ria conosco hãm?! Diz Murilo abraçando sua irmã. – Foi apenas uma brincadeirinha... Você precisava ver sua cara, foi muito hilário! Devíamos ter gravado Matheus.

– Esperem o papai e a mamãe chegarem de viajem, que vocês terão muitos momentos de risadas, só que serão minhas, quando eu estiver assistindo a sessão de surras que vocês vão levar!

– Você é muito chata Mariana! – Matheus dá língua para sua irmã enfurecida com o apoio das risadas de Murilo. – Vou ao banheiro que eu ganho mais. Boa noite para vocês!

Matheus sai enquanto seus irmãos ainda tinham uma discussão acalorada. As luzes se apagam novamente.

– Matheus! – Mariana grita enfurecida. – Isso já perdeu a graça desde o momento que vocês criaram essa brincadeira idiota! Acenda já essas luzes!

As luzes se acendem. Pronta e acompanhada de Murilo, e já enfrente ao quarto de seu irmão caçula, Mariana abria a porta e já começava de imediato com seu discurso de irmã mais velha, quando se depara com uma criatura negra, de rosto humano e sombrio com enormes garras afiadas, cravadas no peito de Matheus já desfalecido. Ambos gritam desesperados, quando as luzes se apagam. Mariana não sente mais nada. 

Ouve-se um barulho. Mariana acorda, olha o despertador: 23:20; Segunda, 16 de Fevereiro de 2015. – Foi só um pesadelo. – Respira aliviada. 

As luzes se apagam.

Nenhum comentário:

Postar um comentário